Kolkata – India

Segundo nosso roteiro inicial, teriamos alguns dias em Bodh Gaya, onde Buda recebeu sua iluminacao espiritual, e mais alguns dias sobrando em Calcuta, que agora eh conhecida como Kolkata.

Bem, depois de varias consultas com residentes locais no pais, acabamos descartando a ideia de ir ate Bodhgaya, pois a regiao estadual onde se encontra (Bihar) esta num estado de calamidade publica: guerras de castas constantes, assassinatos quase diarios, bandidos bloqueando a estrada e assaltando onibus de turismo, enchentes, surtos de malaria, enfim todas as razoes possiveis para passarmos longe dali, mesmo estando bem em nossa rota a Kolkatta.

Em relacao a esta ultima, ate agora nao sabemos o que aconteceu, mas os dias que teriamos, resumiu-se a apenas algumas horas, uma vez que nosso voo para a Tailandia sai as seis da manha do dia seguinte.

Sem muito tempo disponivel, quando chegamos na cidade apenas procuramos pela area do aeroporto, a procura de um hotel onde pudessemos descansar um pouco.

Cruzamos a cidade praticamente, e pelo caminho, pudemos vislumbrar um pouquinho da terceira maior cidade da India. Como todas megacidades do pais, Kolkatta beira ao caos, o transito eh infernal, as favelas fazem parte de grande parte da paisagem, criancas tomando banho com a agua da sarjeta, pedintes por todos os lados, ruas empoeiradas e confusas.

Mas a arquitetura local e no minimo intrigante, entre as caoticas avenidas indianas, predios coloniais no estilo vitoriano britanico, uma lembranca da epoca do British Raj na India, quando a cidade era a capital do pais.

Ao chegar em nosso hotel, lembrei-me da casa muito engracada, aquela que nao tinha teto, nao tinha nada, como Chico Buarque cantava. O hotel tinha teto, mas este estava com um vazamento tao grande, que uma pequena cachoeira vazava sob a grande escadaria.

Se a agua corria em abundancia ali na entrada, em nosso quarto ela era praticamente inexistente, ja que apenas as torneiras da pia funcionavam. Avisamos a recepcao e eles mandarm um de seus funcionarios dar uma olhada no que estava acontecendo e assim, um menininho com pouco mais de dez anos olhava atenciosamente para o chuveiro, sem saber o que fazer. Ai meu Deus!

Fora que ali naquele hotel, bater na porta era um costume inexistente. Um senhor de meia-idade entrou em nosso quarto assim de repente e veio nos perguntar se queriamos uma cerveja. Depois de uma meia hora, (sem bater na porta de novo), ele entrou e tirou a cerveja de dentro de sua calca! Meu humor naquela altura ja estava ficando pesado e, a terceira pessoa que entrou sem bater, um outro funcionario que veio analisar o chuveiro, acabou levando a bronca por todos os outros.

Solicitamos um wake-up call para as tres da manha e, sem banho tomado, nos despedimos da India, com um delicioso chicken tandori.

Refletindo sobre os ultimos meses, quando atravessamos o pais de Sul ao Norte e agora de Oeste ao Leste, senti-me gratificada por tudo o que aconteceu ali, mesmo com os perrengues, mesmo com as dificuldades.

Viajar pela India nao e facil, nem para quem ja mochilou pela Europa, e um exercicio constante de paciencia, olhar por cima das dificuldades, controlar o espirito, enxergar mais alem.

Nem sempre consegui fazer isto, as vezes confesso que praguejei todos os Rajs por nao achar uma cash machine que nao tivesse que andar mais que dois quilometros. Torci o nariz as vezes e imaginava ver o molho de ‘barata-massala’ nas barraquinhas simples e sujinhas, sofri com o calor as vezes insuportavel, corri de pavor dos primeiros ratos que vi na rua, me perdi na caoticidade de suas vias, sempre superlotadas de pessoas.

Mas enquanto arrumava minha mochila, vi que o que estou levando comigo e muito mais importante do que tudo isto. Como num trabalho de patchwork, que de longe parece desordenado e nao muito atraente, de perto, e encantador, descobrir a cada instante novos detalhes, dentro desta diversidade de historias, costumes, religioes, tao distintos mas ao mesmo tempo, convivendo lado-a-lado. Ter estado ali foi indescritivel, uma experiencia que pretendo um dia repetir.

Ja comeco a pensar como seria uma segunda vez no pais, e lembro-me das pessoas que encontramos que ja estao na quarta, quinta, sexta visita a India. Tambem aqueles que aqui ficaram, como os ‘long stayers’ de GOA.

Nao consegui dormir e, como estava prevendo, nossa ‘wake up call’ nao aconteceu. No horario de nosso taxi, desci e acordei aquele que deveria ter me acordado, e assim, partimos.

 FOTOS UTILIZADAS NESTE POST: travelblog.org

Tags: , ,

4 comentários para “Kolkata – India”

  1. Deborah says:

    Sensacional Ká, sem palavras! O texto está incrível!! Muito engraçado tudo que aconteceu e sua visão (criativa) das coisas! Saudade

  2. Karina says:

    Po, De, Valeu pela forca! Super Beijo!

  3. Lu Coutinho says:

    Adorei o seu relato.
    Como voce escreve bem!
    Parabens!
    Where are you from?
    Espero um dia fazer o mesmo.
    Obrigada por compartilhar essa experiencia.
    Um abraco,
    Lu.

  4. giselli robertson says:

    Ola karina,parabens!!! Adorei o texto e as fotos nossa eh de ficar beige,super beijo!

Deixe um comentário

*

Anti-Spam Quiz: